quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Tudo aquilo que não cabe em caixas de papelão.

Seu ninho era quente, e mesmo que emaranhado de espinhos, era confortável e carecente. Mas quando seus ossos começaram a esticar, as dores apareceram por toda parte e minúsculo ficou o espaço para que seus ossos pudessem tomar forma. Somente um sutil bater de asas poderia acariciar seus penares, mas não queria aprender a voar. Suas asas estavam cortadas por amor e na garganta sentia a dor das palavras presas. A pequena menina já não era tão pequenina, mas seus olhos continuavam os mesmos, mas naquele momento estavam fixos e perdidos. Sem horizontes e sem ternura. Estava imóvel e frágil como um jarro de cristal. Ela não conseguia mais permanecer à margem de si mesma e de colos rompidos pelo silêncio. Pegou impulso, esticou as asas de porcelana e foi num fluxo de vento atormentante que lançou-se ao mais profundo abismo aterrador. Espatifou seu coração em milhares de pedaços estrídulos. Ali estava seu velório. Desfalecida em seu próprio berço gemia a dor da morte. Assassinou a criança que existia em cada célula e descobriu que crescer era um torturante palco de luz, a distância era um grito vermelho. Seu peito estava dilacerado e nada, nenhuma dor, nenhum ser humano havia causado amputação parecida a qual pudesse ser similar ao corte profundo que ela mesma feriu-se.
Metamorfoses podem te transformar, mas algumas transformações precisam de dor. Ali estava eu, sendo aguardada em um útero quentinho. Ali estava eu, lutando para sobreviver numa incubadora enquanto meus pais acariciavam minha mão pelo buraquinho. Ali estava eu, perdendo meu primeiro dentinho, cantando "Nesse meu mundo só meu" da Alice no país das Maravilhas, indo para o mar de mãos dadas com meu pai, sentindo a aflição do meu primeiro dia na escola. Ali estava eu, brincando de boneca sozinha no gramado. Ali estava eu, ouvindo o coração da minha irmã bater pela primeira vez. Ali estava eu chamando Deus de "Papai do Céu". Ali estava eu, desenhando na varanda. Ali estava eu, brincando com a Pintie. Ali estava eu, na varanda observando as janelinhas dos vizinhos. Ali estava eu, com febre, sendo cuidada pela minha mãe tão cuidadosa. Ali estava eu, nos natais cercados da família. Ali estava eu, no lugar onde todos deveriam voltar um dia, o lar da infância.
Mas agora aqui estou eu, com ombros maiores e meias rendadas. Aqui estou eu, com um batom vermelho e olhos pintados. Uma mulher com cicatrizes de menina que jamais irão embora das minhas lembranças mais doces. Viver é desabar-se e edificar-se.
A tempestade que cai agora, acabará pela manhã e todos nós um dia poderemos ver um arco-íris preencher este céu nublado em sorrisos de reencontro.

2 comentários:

Lari. disse...

Você é linda.

lollyoliver disse...

Você escreve muito bem.
http://lollyoliver.wordpress.com/

Postar um comentário